Noticias via Email

segunda-feira, 8 de março de 2010

Alimentação é aliada no combate à hipertensão


Doença crônica compromete todo o organismo e já afeta 30% dos brasileiros; cefaléia é o sintoma que ocorre com mais frequência

Por Camilla Perez

Durante os últimos dias, o assunto que esteve em pauta no Brasil e no resto do mundo foi a repentina internação do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Diagnosticado com uma crise de hipertensão, o quadro foi apenas um fato isolado em seu histórico clínico, não havendo necessidade de tratamentos medicinais.

Isto, entretanto, não é nem um pouco comum, pois 30% da população brasileira sofrem de hipertensão sendo que, segundo dados do Ministério da Saúde, 35% daquelas que têm mais de 40 anos possuem pressão alta.

Entre as causas da doença estão os fatores genéticos, idade avançada, má alimentação, obesidade, excesso de consumo de álcool e falta de exercício físico.

Segundo Flávio Cure, cardiologista fundador da ONG Rio Coração, "a hipertensão, na maioria das vezes, cursa sem sintomas ou indícios. Sendo que, quando acontece, a cefaléia é o sintoma mais frequente".

É importante ressaltar palpitação e pontinhos luminosos na vista, também são um indicativo de que a saúde já não está bem. E, se o diagnóstico for mesmo de pressão alta, as consequências podem ser devastadoras.

Os rins são prejudicados, pois ficam sobrecarregados pela força do sangue durante a filtragem. A pressão alarga os poros, fazendo com que algumas proteínas escapem pela urina, o que pode comprometer sua função e até causar a falência do órgão.

Além disso, os olhos também são afetados. A hipertensão pode danificar a retina, levando a problemas de visão. No caso de cirurgias, ainda há graves riscos de sangramentos.

Para ajudar a população a controlar e combater este mal, a nutricionista Bruna Murta da rede Mundo Verde - especializada em produtos naturais, orgânicos e para bem-estar -, dá dicas para uma alimentação saudável e equilibrada. Assim, as chances de manter a pressão arterial sobre controle são maiores, e o organismo será muitíssimo beneficiado pelas mudanças. Confira!

É importante:

- Consumir uma variedade de frutas, verduras, legumes;
- Incluir cereais integrais na dieta;
- Ingerir alimentos assados, grelhados ou cozidos;
- Utilizar óleos vegetais (oliva, girassol, milho);
- Beber pelo menos 2 litros de água por dia;
- Optar pelo leite desnatado;
- Utilizar queijos com pouca gordura (minas, ricota, cottage) e manteiga ou margarina sem sal;
- Reduzir o sal, seguindo orientações do médico ou nutricionista;
- Utilizar como tempero alho, cebola, limão, azeite doce, ervas, pimentão, noz moscada, orégano, manjericão, alecrim.

Evite:

- Excesso de sal;
- Alimentos muito gordurosos;
- Cafeína, chá preto, chá mate, refrigerantes tipo cola;
- Embutidos (calabresa, salame, mortadela, salsicha) e enlatados; presunto, bacon, azeitonas, picles, ketchup, maionese, manteiga com sal;
- Bebidas alcoólicas.

Recomendações gerais:

- Verifique frequentemente sua pressão arterial;
- Procure manter o peso adequado. Pessoas obesas têm maior probabilidade de desenvolver a hipertensão;
- Evite o fumo;
- Pratique exercícios físicos com orientação;
- Mantenha hábitos de vida saudáveis.

Seguindo as recomendações sugeridas e visitando o médico regularmente, você contribui para a sua saúde e seu bem-estar, sem complicações!

Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/noticias/alimentacao-e-aliada-no-combate-a-hipertensao-162113-1.asp

Nenhum comentário:

Postar um comentário